Leia ouvindo:  Bishop Briggs – The way I do

Se eu pudesse definir meu 2019 no esporte em uma só palavra seria pausa. Em 2019 eu dei um suspiro fundo e fiquei por lá observando.

Muito do que eu planejei se quer saiu do esboço. Ouvi “nãos”, tive um projeto copiado, fiz reuniões que não deram em nada, ouvi pelas costas que não era para mim, cai. E não foi uma queda praticando qualquer esporte, foi uma queda no mundo dos negócios que infelizmente – ou felizmente, deixei esbarrar na minha prática esportiva.

2019 passou voando, mas também pareceu uma eternidade. Só consegui pensar “eu quero sair daqui”. Sei que não é o ano, mas uma fase e cá entre nós?! Ela passou. Minha intensidade permite viver tudo, inclusive o sonoro CHEGA!

Não é o ano novo, mas é tudo aquilo que a gente permite viver – ou não. Se o esporte foi minha redenção em 2017, em 2020 já é minha salvação. É aquele fio de esperança, uma poética possibilidade de gritar “vai que dá”. Até porque no esporte é exatamente assim, sempre dá para se desafiar um pouco mais. E de desafio, além de gostar, eu entendo.

Fotografia: Juliana Manzato

Foi no suspiro que encontrei coragem para colocar a bike na rua e pedalar, calma lá que ainda não é literalmente, mas é com essa metáfora que eu apresento à vocês o @esportes.dela, meu mais novo projeto dedicado ao protagonismo feminino no esporte.

Contar histórias de mulheres para mulheres. Incentivar mais mulheres no esporte e também apresentar novos esportes para essas mesmas mulheres. Por muito tempo vivemos o “fitness”, as calorias, o corpo magro e ideal. No esporte as calorias são necessárias para te dar energia, o corpo é saudável e o objetivo final é superar limites.

A tão comentada – e aclamada – saúde mental também está no esporte, em cada dose de endorfina liberada. Não importa o esporte, mas a vivência.

Te convido a vivenciar o esporte mudando perspectivas e expectativas. Você não precisa de um esporte, você pode ser dos mais diversos esportes. Explore! Mas se achar necessário pause, respire, beba água, fique um tempinho na sombra, retorne.

Apure seu olhar e escolha viver as experiências que o esporte proporciona, vai valer a pena.

Estamos juntas. Vamos juntas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like
Leia mais

PRECISAMOS FALAR SOBRE MULHERES; PRECISAMOS FALAR SOBRE FUTEBOL

Uma mulher tomar as proporções que Marta tomou, principalmente no futebol, feriu a sensível masculinidade de milhares de homens. Saímos do armário, queridos. Estouramos a bolha, amores. Marta é a maior, com ou sem aquele apelido imbecil de "pipoqueira" que esses mesmos homens criaram. O que incomoda não é o futebol, é a postura. É a causa. É uma mulher ser ouvida. E mais do que isso, é uma mulher fazer barulho e acordar tantas outras - jogando futebol.
Leia mais

2021 JÁ É MÊS QUE VEM, E AI?

Leva-se tempo para construir um novo hábito, bem como criar consciência para novas escolhas. O famoso "não é para ter pressa, mas também não vamos perder tempo". Uma boa reflexão para ser feita hoje, amanhã e depois, e para sempre. Todos os dias podemos subir mais um degrau, ressignificando aquilo que já não faz mais sentido.
Leia mais

ANA MARCELA CUNHA É BRABA

O que eu mais gosto como jornalista é contar histórias. Melhor ainda é poder se inspirar de alguma forma com essas histórias. Eleita melhor do mundo pela FINA seis vezes (!) e muito longe de receber o reconhecimento que deve pela mulher incansável que é: Ana Marcela Cunha é braba.