Não me lembro bem quando, mas há uns bons anos atrás, deixei de acreditar no famoso “que ano ruim”. Escolhi olhar para a minha linha do tempo de uma maneira diferente. Primeiro porque ela não é tão “reta” como parece, e segundo porque viver através dos anos, é estar presa ao bom e ruim. Jogando a real, será que o bom e o ruim existem realmente ou é apenas um ponto de vista que criamos?

Ontem e hoje minhas redes sociais foram tomadas com publicações com a frase “2020 te fez feliz ou forte?” e por um tempo parei para questionar se a gente precisa escolher ser uma coisa ou outra. Eu acredito que 2020 foi um ano de ressignificado, na alegria, tristeza, força, fraqueza, sentimentos e situações que escancararam tudo aquilo que precisa ser repensado.

No esporte não foi diferente. As competições mundo a fora se mostraram frágeis demais – tivemos até uma Olimpíada adiada. Na contra mão, o esporte em sua essência mais amadora, se mostrou fundamental para preservar saúde física e mental.

imagem: reprodução/arquivo pessoal – Juliana Manzato

Movimentar o corpo – finalmente – ganhou um novo significado. Deixamos de olhar a barriga chapada como objetivo para o verão e passamos a compreender que ser constante é melhor do que ser “fitness”. Afinal, todo mundo que tem uma “life”, tem um “style”.

Convenhamos, que loucura foi aquela que entramos quando acreditamos que frango com batata doce era a melhor opção para almoço ou jantar, hein?

Talvez não seja a virada do ano, mas uma virada de chave que questione todas as nossas escolhas e conexões. A profundidade das nossas escolhas iluminam projeções sobre o futuro, próximo e não tão próximo assim.

Leva-se tempo para construir um novo hábito, bem como criar consciência para novas escolhas. O famoso “não é para ter pressa, mas também não vamos perder tempo”. Uma boa reflexão para ser feita hoje, amanhã e depois, e para sempre. Todos os dias podemos subir mais um degrau, ressignificando aquilo que já não faz mais sentido.

Independente de 2021, o primeiro tijolo para uma grande mudança pode ser colocado hoje. Vale para vida, mas vale principalmente para o esporte. O nosso corpo é veículo para vivenciar a experiência mundana.

O corpo não sabe o quanto é o seu pace, tão pouco se importa com o seu giro, ou com a medalha conquistada, seu corpo quer te recompensar por simplesmente estar em movimento.

Acho que depois de ler esse conteúdo até aqui, é de bom tom, agradecer seu corpo por toda recompensa dada até aqui. E que venha mais, e sempre.

Movimente-se.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like
Leia mais

CORRA

Diferente de outros tantos esportes, a corrida cabe na mala. Um bom tênis, fone de ouvido e uma troca de roupa. Pronto! Se a vida pede praticidade, a corrida te entrega muito mais que isso, te dá força de vontade.
Leia mais

OI, CONTEÚDO ESPORTIVO!

Escolher trabalhar com conteúdo esportivo foi desafiador, não pelo conteúdo em si, já que desde que me conheço por gente prático e acompanho os mais diversos esportes - o que facilita bastante, mas não é o suficiente. O tempo todo você precisa provar que você sabe do que está falando, que estudou para aquilo, que abraçou aquele projeto porque você tem competência para tanto.
Leia mais

ANA MARCELA CUNHA É BRABA

O que eu mais gosto como jornalista é contar histórias. Melhor ainda é poder se inspirar de alguma forma com essas histórias. Eleita melhor do mundo pela FINA seis vezes (!) e muito longe de receber o reconhecimento que deve pela mulher incansável que é: Ana Marcela Cunha é braba.