Apesar de esportistas, nunca fui a aluna exemplar nas rotinas de treino. Eu não gosto de treinar, mas preciso do treino para praticar os esportes que gosto sem me machucar.

Depois de um intenso 2019, com rendimento muito abaixo do meu normal, veio 2020, e com ele toda situação caótica que ainda vivemos. 2021 se apresenta numa versão 2020 plus, só que agora a gente sabe o que esperar de algumas situações.

Em 2020 eu fui parar no zero. A motivação se desfez. Sou do esporte outdoor, gosto do vento no rosto, mar, montanha e aventuras. O treino do dia sempre foi pautado em uma próxima aventura. Acabei sem treino e sem aventura.

Nesse período tentei retomar a corrida, ensaiei funcional em casa, pulei corda, até fui para o parque, mas meu corpo parecia querer um tempo para colocar as ideias no lugar. O movimento ainda não encaixa, as dores no corpo aumentaram, o fôlego não chega perto do que era antes…

imagem: esportes dela

Estamos em março de 2021, o mundo continua um tanto caótico, o Brasil se tornou uma ameaça global, e diante de crises de ansiedade, rotina bagunçada por causa do trabalho e notícias não tão boas assim, eu decidi voltar. Aos poucos, em metas possíveis, diárias e principalmente, em segurança.

Yoga, meditação, alongamento, caminhadas mais longas durante o passeio com o cachorro. A academia do prédio continua aberta, amanhã tenho horário, por hora usando um único peso: o do corpo.

Fazer o possível, um dia por vez. Seguimos.

Constância é melhor do que se frustrar com grandes metas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like
Leia mais

PRECISAMOS FALAR SOBRE MULHERES; PRECISAMOS FALAR SOBRE FUTEBOL

Uma mulher tomar as proporções que Marta tomou, principalmente no futebol, feriu a sensível masculinidade de milhares de homens. Saímos do armário, queridos. Estouramos a bolha, amores. Marta é a maior, com ou sem aquele apelido imbecil de "pipoqueira" que esses mesmos homens criaram. O que incomoda não é o futebol, é a postura. É a causa. É uma mulher ser ouvida. E mais do que isso, é uma mulher fazer barulho e acordar tantas outras - jogando futebol.
Leia mais

ANA MARCELA CUNHA É BRABA

O que eu mais gosto como jornalista é contar histórias. Melhor ainda é poder se inspirar de alguma forma com essas histórias. Eleita melhor do mundo pela FINA seis vezes (!) e muito longe de receber o reconhecimento que deve pela mulher incansável que é: Ana Marcela Cunha é braba.
Leia mais

OI, CONTEÚDO ESPORTIVO!

Escolher trabalhar com conteúdo esportivo foi desafiador, não pelo conteúdo em si, já que desde que me conheço por gente prático e acompanho os mais diversos esportes - o que facilita bastante, mas não é o suficiente. O tempo todo você precisa provar que você sabe do que está falando, que estudou para aquilo, que abraçou aquele projeto porque você tem competência para tanto.
Leia mais

MEDITAÇÃO ATIVA

A cada dia que passo em contato com a natureza, os momentos de escape e conexão se tornam mais longos e a consciência do agora se estende com mais intensidade pela minha existência.