Caminho. Caminho. Caminho. Caminho sobre o caminho em que caminho. Caminho em caminhos em que outros caminhantes caminharam. 

O looping intenso de pensamentos me acompanha juntamente com o som dos passos ritmados pela minha respiração. Em altitude o ar é mais leve, menos denso, menos barulhento e acho que é assim para se equilibrar com a profundidade do mergulho que damos para dentro de nós mesmas. 

Acho que os anos que passei dentro de salas de dança acabaram me condicionando a contagens em oito tempos. Me perco em mim e quando retomo a atenção, minha mente está calmamente contando meus passos até oito e recomeçando de novo. Ininterruptamente. Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, um, dois…

Imagem: arquivo pessoal/Ayesha Zangaro

Já me peguei nisso por mais de uma hora, ou talvez duas, não sei. O tempo na montanha é outro, a natureza rege as horas de outra forma, que me parece inclusive muito mais sábia do que a nossa, condicionada por relógios e celulares. Desligo. Mas aqui, sem apertar botões. Deixo meu corpo ouvir meu coração bombear o sangue, deixo minha mente em modo avião, minha pele atenta, meus músculos ativos… e em algum lugar, talvez num plano etéreo, minha alma absorve a experiência de apenas ser e estar. 

E depois… o susto. Depois de terminar o percurso planejado para o dia, recobro instantaneamente meu modus operandi condicionado pela sociedade. Retomo a ilusão do controle sobre meus próprios pensamentos, volto a alimentar olhos e ouvidos com infinitos estímulos externos, silencio o instinto, envelopo o sentir, anestesio o fluxo de sensações, e por algumas horas, volto a acreditar que é assim mesmo, que isso que é a vida, encher o tempo de ocupações até algo me surpreender. 

Porém… cada vez menos. A cada dia que passo em contato com a natureza, os momentos de escape e conexão se tornam mais longos e a consciência do agora se estende com mais intensidade pela minha existência. Trazer essa meditação ativa para a nossa rotina é tão transformador que às vezes perdemos a capacidade de entender esse movimento racionalmente. E aí só nos resta sentir… e existir. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like
Leia mais

OI, CONTEÚDO ESPORTIVO!

Escolher trabalhar com conteúdo esportivo foi desafiador, não pelo conteúdo em si, já que desde que me conheço por gente prático e acompanho os mais diversos esportes - o que facilita bastante, mas não é o suficiente. O tempo todo você precisa provar que você sabe do que está falando, que estudou para aquilo, que abraçou aquele projeto porque você tem competência para tanto.
Leia mais

SOBRE RECOMEÇOS

Os recomeços doem. O seu corpo não é mais o mesmo. Entender o processo e amadurecer a corrida é difícil - mesmo que o corpo tenha memória. Não é só retomar o ritmo, é, também, não pegar pesado com você mesma.
Leia mais

2021 JÁ É MÊS QUE VEM, E AI?

Leva-se tempo para construir um novo hábito, bem como criar consciência para novas escolhas. O famoso "não é para ter pressa, mas também não vamos perder tempo". Uma boa reflexão para ser feita hoje, amanhã e depois, e para sempre. Todos os dias podemos subir mais um degrau, ressignificando aquilo que já não faz mais sentido.
Leia mais

SÓ SE FOR ASSIM

Um homem que é ativista na rede social, mas dentro da empresa que trabalha não luta por igualdade de gênero, não é tão ativista assim. É necessário sair da rede social e fazer mais no dia a dia.