Caminho. Caminho. Caminho. Caminho sobre o caminho em que caminho. Caminho em caminhos em que outros caminhantes caminharam. 

O looping intenso de pensamentos me acompanha juntamente com o som dos passos ritmados pela minha respiração. Em altitude o ar é mais leve, menos denso, menos barulhento e acho que é assim para se equilibrar com a profundidade do mergulho que damos para dentro de nós mesmas. 

Acho que os anos que passei dentro de salas de dança acabaram me condicionando a contagens em oito tempos. Me perco em mim e quando retomo a atenção, minha mente está calmamente contando meus passos até oito e recomeçando de novo. Ininterruptamente. Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, um, dois…

Imagem: arquivo pessoal/Ayesha Zangaro

Já me peguei nisso por mais de uma hora, ou talvez duas, não sei. O tempo na montanha é outro, a natureza rege as horas de outra forma, que me parece inclusive muito mais sábia do que a nossa, condicionada por relógios e celulares. Desligo. Mas aqui, sem apertar botões. Deixo meu corpo ouvir meu coração bombear o sangue, deixo minha mente em modo avião, minha pele atenta, meus músculos ativos… e em algum lugar, talvez num plano etéreo, minha alma absorve a experiência de apenas ser e estar. 

E depois… o susto. Depois de terminar o percurso planejado para o dia, recobro instantaneamente meu modus operandi condicionado pela sociedade. Retomo a ilusão do controle sobre meus próprios pensamentos, volto a alimentar olhos e ouvidos com infinitos estímulos externos, silencio o instinto, envelopo o sentir, anestesio o fluxo de sensações, e por algumas horas, volto a acreditar que é assim mesmo, que isso que é a vida, encher o tempo de ocupações até algo me surpreender. 

Porém… cada vez menos. A cada dia que passo em contato com a natureza, os momentos de escape e conexão se tornam mais longos e a consciência do agora se estende com mais intensidade pela minha existência. Trazer essa meditação ativa para a nossa rotina é tão transformador que às vezes perdemos a capacidade de entender esse movimento racionalmente. E aí só nos resta sentir… e existir. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like
Leia mais

PRECISAMOS FALAR SOBRE MULHERES; PRECISAMOS FALAR SOBRE FUTEBOL

Uma mulher tomar as proporções que Marta tomou, principalmente no futebol, feriu a sensível masculinidade de milhares de homens. Saímos do armário, queridos. Estouramos a bolha, amores. Marta é a maior, com ou sem aquele apelido imbecil de "pipoqueira" que esses mesmos homens criaram. O que incomoda não é o futebol, é a postura. É a causa. É uma mulher ser ouvida. E mais do que isso, é uma mulher fazer barulho e acordar tantas outras - jogando futebol.
Leia mais

E A MÁSCARA?

Mas basta andar um pouco para ver gente com máscara no queixo, na mão ou até mesmo sem máscara. Não é diferente ali no mundo instagram, é rolar feed, story e reels, que sempre pinta alguém fazendo a "terapia do dia" sem o devido cuidado, e pior, deixando registrado nas redes o que faz. Gente com alguns milhares de seguidores, que fala de saúde, bem estar, conexão, gratidão...
Leia mais

2021 JÁ É MÊS QUE VEM, E AI?

Leva-se tempo para construir um novo hábito, bem como criar consciência para novas escolhas. O famoso "não é para ter pressa, mas também não vamos perder tempo". Uma boa reflexão para ser feita hoje, amanhã e depois, e para sempre. Todos os dias podemos subir mais um degrau, ressignificando aquilo que já não faz mais sentido.