Falhei. Como toda jornada na vida, repleta de imperfeições, eu falhei. São muitas as pedras no caminho de quem resolve fazer exercício físico em casa: preguiça, indisposição, falta de vontade, mas eu seguia firme. Pra quem não se lembra, eu me fiz o desafio dos 21 dias, desde o momento que li em algum lugar da internet que isso transformava e criava um hábito de rotina. A gente gosta de se iludir, né? Mas já trago o spoiler: DEU CERTO! E te incentivo a vir comigo.

Não na primeira vez. Não perfeito. São passos imperfeitos, me disse uma mentora. Sabe que isso vem guiando meus dias? Eu fiz 20 dias seguidos e minha família teve um velório de um amigo querido para ir. As lágrimas foram meu exercício naquele dia. Aos quarenta e cinco minutos do segundo tempo: eu falhei na primeira tentativa. Motivo justo, você vai me dizer? Pois bem, me perdoei e voltei pro desafio.

Tirei uns dias para colocar tudo no lugar, entender a dádiva da vida tão fugaz e voltei! Dia a dia em busca dos 21 dias e acredita que saíram 22? Esse aqui não é um texto sobre “tá pago” e nem para te gerar gatilho, meu objetivo é te mostrar que vai sair e que vai dar certo.

Uns dias foram melhores que outros, um dia eu fui por obrigação, no outro como terapia. Sabe o melhor? Todos os dias eu me sentia melhor do que quando comecei.

Isso não quer dizer sem dores musculares, certo? Minha bicicleta ergométrica foi minha companheira – aquisição útil da quarentena. Dias corridos e sem tempo para nada respondendo e-mails por vinte minutos e cumprindo a tarefa na bicicleta. Fiz até reunião enquanto pedalava. Não importa como: OS 21 DIAS SAÍRAM.

Nada de mágico aconteceu depois disso. Pulei um dia, voltei no outro. Fiz repetido. Entendi que pode ser, sim, uma forma de me reencontrar. Em tempos com tantas telas, o exercício pode trazer um refúgio. A rotina parece sim que deu certo. O objetivo não é ser perfeita ou buscar a imagem ideal: é o bem-estar e me sentir mais leve. 2020 nos trouxe essa oportunidade: a de reconectar. E a gente não pode deixar isso passar.

Bora hoje?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like
Leia mais

CORRA

Diferente de outros tantos esportes, a corrida cabe na mala. Um bom tênis, fone de ouvido e uma troca de roupa. Pronto! Se a vida pede praticidade, a corrida te entrega muito mais que isso, te dá força de vontade.
Leia mais

SÓ SE FOR ASSIM

Um homem que é ativista na rede social, mas dentro da empresa que trabalha não luta por igualdade de gênero, não é tão ativista assim. É necessário sair da rede social e fazer mais no dia a dia.
Leia mais

PRECISAMOS FALAR SOBRE MULHERES; PRECISAMOS FALAR SOBRE FUTEBOL

Uma mulher tomar as proporções que Marta tomou, principalmente no futebol, feriu a sensível masculinidade de milhares de homens. Saímos do armário, queridos. Estouramos a bolha, amores. Marta é a maior, com ou sem aquele apelido imbecil de "pipoqueira" que esses mesmos homens criaram. O que incomoda não é o futebol, é a postura. É a causa. É uma mulher ser ouvida. E mais do que isso, é uma mulher fazer barulho e acordar tantas outras - jogando futebol.
Leia mais

E A MÁSCARA?

Mas basta andar um pouco para ver gente com máscara no queixo, na mão ou até mesmo sem máscara. Não é diferente ali no mundo instagram, é rolar feed, story e reels, que sempre pinta alguém fazendo a "terapia do dia" sem o devido cuidado, e pior, deixando registrado nas redes o que faz. Gente com alguns milhares de seguidores, que fala de saúde, bem estar, conexão, gratidão...