Eu gosto bastante do Brad Stulberg – se você ainda não o conhece, recomendo ler seus artigos na revista Outside EUA. Pelo menos para mim, os artigos de Brad servem como um mapa interessante de investigação sobre aprendizados da prática esportiva e vida.

Sempre acreditei que praticar atividade física seria, de alguma maneira, uma forma de meditar. Brad me mostrou que talvez não seja bem assim. Para ele, praticar atividade física ou esporte é uma coisa, e meditar, bem, é meditar mesmo. Isso não quer dizer que as atividades não compartilhem pontos em comum, pelo contrário.

imagem: reprodução;

Ambas, atividade física e a meditação, são boas maneiras de acalmar a mente e encontrar um estado de fluxo que te leve para o momento presente, onde não existe mais nada além do que a atividade que você está praticando. Esse poder de presença é um ponto em comum entre as atividades. Além disso as duas práticas possuem desafios e desconfortos que auxiliam no processo de separar a consciência da realidade.

Na corrida ou na caminhada, é muito provável que depois de um tempo você comece a sentir as pernas queimarem. Inicialmente, você apenas observa, sem se deixar levar pela sensação, certo? O contraponto que Brad traz, vem da meditação. É através dela que você aprende a observar todos os tipos de pensamentos, sentimentos e impulsos sem se envolver com eles.

A meditação chegou na minha vida em 2017, quando me mudei para São Paulo e percebi que estava muito mais agitada e me adaptando a um ritmo de vida que não necessariamente era o meu. A prática esportiva já existia, mas acabou melhorando bastante depois da meditação.

Enquanto na atividade física existe “barulho” demais, na meditação é só você e sua respiração. O que para muitas pessoas pode parecer chato ou “parado”, acaba sendo um ótimo exercício para lidar com a impulsividade, impaciência e resiliência, entre outros sentimentos, e claro, a lidar com a própria cia.

Depois de observar cada ação-reação do esporte e da meditação na minha rotina, posso dizer que uma das melhores decisões que tomei foi seguir com as duas atividades. Apesar de estar no esporte de maneira ativa, preciso concordar com o Brad que… meditação é meditação.

Silêncio. Inspira. Respira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You May Also Like
Leia mais

ANA MARCELA CUNHA É BRABA

O que eu mais gosto como jornalista é contar histórias. Melhor ainda é poder se inspirar de alguma forma com essas histórias. Eleita melhor do mundo pela FINA seis vezes (!) e muito longe de receber o reconhecimento que deve pela mulher incansável que é: Ana Marcela Cunha é braba.
Leia mais

CORRA

Diferente de outros tantos esportes, a corrida cabe na mala. Um bom tênis, fone de ouvido e uma troca de roupa. Pronto! Se a vida pede praticidade, a corrida te entrega muito mais que isso, te dá força de vontade.
Leia mais

SÓ SE FOR ASSIM

Um homem que é ativista na rede social, mas dentro da empresa que trabalha não luta por igualdade de gênero, não é tão ativista assim. É necessário sair da rede social e fazer mais no dia a dia.
Leia mais

JÁ PENSOU EM SUBIR O EVEREST DE BIKE?

"Como assim parte II, Van?". E foi com essa pergunta que eu descobri que 8.848m de altimetria é bobagem, existe o desafio duplo do Everesting. Consistem em fazer a prova x2, ou seja, chegar aos 17.696m de altimetria. Resumindo: subir e descer o Monte Everest duas (!!!!) vezes.