O esporte salva. Salva crianças de situações de vulnerabilidade, salva a alegria do povo, salva a esperança de uma nação. E salva uma mãe de uma espécie de puerpério prolongado, se posso, por licença poética, assim dizer.

A primeira vez que joguei vôlei foi lá pelos 8 anos. Perdi as contas. A paixão vem de tanto tempo que é como se tivesse nascido comigo. Aquele tipo que você gama tanto, que acha que é a única coisa que quer para a vida. E, por muito tempo, era só isso mesmo que eu queria. Achava até que seria profissional.

Eu não tinha altura, peso ou oportunidades muito próximas de me tornar profissional. Então, quando a faculdade chegou, o vôlei partiu. Não do coração. E eu segui assistindo os jogos pela TV, nas quadras e adorando meu ídolo absoluto, Giba.

Em 2017, conheci uma outra forma de amor. Mais arrebatadora e que me roubou todo o espaço do coração. A ela, dei o nome de Maria Luisa. Uma bebê linda, carequinha, de olhos verdes e não planejada. Malu trouxe sentimentos fortes, inclusive uma tristeza desconhecida e uma sensação de não pertencer mais a mim mesma. Fiquei completamente perdida.

Em novembro, minha Maria faz 3 anos. O ano de 2020 trouxe crescimento da minha menina, do meu lado profissional e uma pandemia bizarra que paralisou a todos. E como num paradoxo complexo de entender, essa mesma pandemia me trouxe movimento.

Numa necessidade de me reconectar comigo, busquei no vôlei as raízes que me tornam forte para me desenterrar das paralisias que me enfraqueciam. Pela falta de tempo pra mim, pela falta de um hobbie, de algo que me fizesse genuinamente feliz, mais de 3 anos depois (contando com os 9 meses de gravidez), o vôlei me ressuscitou.

Toda pessoa deveria ter uma válvula de escape. Algo que te tire das obrigações diárias e te inunde de serotonina da cabeça aos pés. Todo e qualquer estresse que me consome, se dissipa no meu exercício diário. E finalmente, depois de tanto tempo, me sinto eu novamente. O esporte salva.

fotografia: Bianca Ferreira

Bianca Ferreira é carioca, jornalista e mãe da Maria Luisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like
Leia mais

SALVANDO A SANIDADE MENTAL NA PANDEMIA

Muitas vezes eu achei que determinado esporte não era pra mim por não conhecer pessoas no meio ou por eu não achava acessível para o meu bolso, também tinha duvidas da minha capacidade física, e pensava que não tinha corpo para tal. Foi a escalada que me ensinou a competir comigo mesma e não me comparar ao coleguinha do lado que está em níveis mais difíceis.
Leia mais

O SONHO É GIGANTE, MAS MINHA INTENÇÃO É MAIOR AINDA.

O meu sonho e propósito nesta jornada é gerar caminhos sustentáveis para qualidade de vida e prosperidade às pessoas que vivem na periferia, gerar conscientização ambiental, posicionamento critico e amplo sobre as possibilidades da vida. Que toda criança periférica tenha acesso às artes, esportes, filosofia, tecnologia e principalmente desenvolvam confiança e auto-promoção.
Leia mais

CELEBRE SUAS MICROVITÓRIAS

Se tem uma coisa que pedalar ensina é que todo dia você tem uma microvitória. E isso em tempos tão estranhos, é algo para se comemorar, e muito. O esporte faz a gente se comparar com a gente mesmo o tempo todo e essa evolução requer esforço e autocuidado. Quando conseguimos é preciso celebrar.